quarta-feira, 11 de julho de 2018

O que é um Grêmio Estudantil?


O grêmio é uma entidade que representa os estudantes de uma determinada escola. Ele serve para representar os estudantes e organizá-los para lutar pelos seus direitos dentro e fora da escola. Os grêmios estudantis são entidades independentes da direção da escola, dos professores e dos governos.
O grêmio é uma organização sem fins lucrativos que representa o interesse dos estudantes e que tem fins cívicos, culturais, educacionais, desportivos e sociais.



O grêmio é o órgão máximo de representação dos estudantes da escola. Atuando nele, você defende seus direitos e interesses e aprende ética e cidadania na prática.

A Secretaria de Estado da Educação entende que toda representação estudantil deve ser estimulada, pois ela aponta um caminho para a democratização da Escola. Por isso, o Grêmio nas Escolas públicas deve ser estimulado pelos gestores da Escola, tendo em vista que ele é um apoio à Direção numa gestão colegiada.

Os Grêmios Estudantis compõem uma das mais duradouras tradições da nossa juventude. Pode-se afirmar que no Brasil, com o surgimento dos grandes estabelecimentos de ensino secundário, nasceram também os Grêmios Estudantis, que cumpriram sempre um importante papel na formação e no desenvolvimento educacional, cultural e esportivo da nossa juventude, organizando debates, apresentações teatrais, festivais de música, torneios esportivos e outras festividades. 

As atividades dos Grêmios Estudantis representam para muitos jovens os primeiros passos na vida social, cultural e política. Assim, os Grêmios contribuem, decisivamente, para a formação e o enriquecimento educacional de grande parcela da nossa juventude.
Além disso, um Grêmio forte e luta é um importante instrumento para reivindicar um bairro ou até mesmo uma cidade melhor para todos nós. Já imaginou, se todos os estudantes tivessem passagem gratuita nos ônibus? Se as nossas escolas tivessem uma estrutura melhor? Veja a grande importância da luta no Grêmio Estudantil.

Para melhor organização das atividades do Grêmio, existe uma direção eleita democraticamente pelos estudantes da escola, que terá a função de organizar e representar os estudantes da escola. Essa direção nunca deve fazer o que vier em sua de cabeça! Deve sempre ouvir as demandas dos estudantes e acima de tudo, propor atividades em que a maioria concorde.

Em muitas Escolas, contrariando as leis vigentes e correndo grandes riscos, mantiveram as atividades dos Grêmios livres, que acabaram por se tornar importantes núcleos democráticos de resistência à ditadura. Com a redemocratização brasileira, as entidades estudantis voltaram a ser livres, legais, ganhando reconhecimento de seu importante papel na formação da nossa juventude. Em 1985, por ato do Poder Legislativo, o funcionamento dos Grêmios Estudantis ficou assegurado pela Lei n. 7.398, como entidades autônomas de representação dos estudantes.

Por: Carlos Fernando

quinta-feira, 5 de julho de 2018

JOVEM DE FUTURO - Seminário de Gestão Pedagógica Orientada para Resultados de Aprendizagem: Caminhos e Desafios.


A primeira Gerência Regional de  Parnaíba, junto com seus ACGS, Gerente Regional, Coordenadora de Ensino e Coordenadores pedagógicos participaram do Seminário. Segue um resumo do encontro.


Gestão Escolar- O papel do coordenador: conceitos e evidencias da prática pedagógica
Professora Conceição Castelo Branco.

O que é gestão pedagógica? Entre as dimensões, conforme Heloíza Luck, seria a gestão democrática e administração pública, gestão de resultados, gestão da cultura organizacional, gestão de pessoas, gestão do cotidiano escolar, planejamento e organização do trabalho escolar e bem no centro fica a Gestão Pedagógica.
Foi questionado sobre qual o papel do coordenador pedagógico. Fazendo uma análise do mito do sísifo, da fábula da cigarra e mito da caverna, compreendemos esse papel do coordenador frente aos grandes desafios em que o mesmo se apresenta. O mesmo deve garantir o direito do aluno a uma aprendizagem significativa, com os seguintes eixos estruturantes de atuação do coordenador. Articulação , Formação e Transformação. Na articulação o coordenador analisa o currículo, Projeto Pedagógico, Planejamento Pedagógico. O coordenador Pedagógico deve  ajudar o professor por meio da formação continuada, com conhecimento técnico e habilidades adequadas à formação. Na formação ao professor trabalhamos as competências, ser um coaching e também mindset. Na transformação, destacamos a Prática Pedagógica e Ambiente Escolar que seria por meio do ensino aprendizagem, avaliação e trabalho coletivo.
Na sequência temos a palestra com o tema: Função do Coordenador Pedagógico nas Escolas de Ensino Médio, por meio de um resultado de uma pesquisa desenvolvida em Maio a Julho de 2016. Foi realizada pesquisa documental, bibliográfica e diagnóstica. Entre alguns dos objetivos da pesquisa foi: investigar a estrutura do trabalho do coordenador pedagógico, identificar as dificuldades enfrentadas por esses profissionais em seus cotidianos.
Foi salientado que o coordenador pedagógico termina fazendo muitas atividades na escola, atividades estas que não é a sua função. Rotinas e fluxos dos estados do Espirito Santo, Goiás, Pará, Piauí foram apresentados e conforme a pesquisa a fala de vários coordenadores é que mudem a realidade das escolas para que o coordenador cumpra sua principal atribuição que é o pedagógico.
Foi citado, o Horário Coletivo de Trabalho (HTTP) que é uma das atividades do coordenador como formador, nestes horários fazer sua formação perante aos professores. No Piauí , há o Programa de Formação Continuada no “Chão da Escola”, é a mesma apresentada a dois anos atrás conforme pesquisa. Ellen Gera , o mediador do ciclo fez a pergunta sobre o papel do coordenador pedagógico, diretor e bedel? A resposta foi que cada um deve dá um limite para seu trabalho e dá prioridade para o que é mais importante, e essas ações devem ser planejadas quando na elaboração do plano de trabalho.

Aprendizagem –  Boa prática: parceria entre a docência e a coordenação pedagógica.
Professora Cláudia Santana

 A professora Cláudia falou de um projeto iniciado na época em que a mesma atuava como coordenadora pedagógica.  Foi um projeto de Intervenção Refletir para Agir, Agir para Transformar. Entre uma das metas era construir na escola uma prática de gestão pedagógica que tenha como foco possibilitar uma maior integração entre os atores. A realidade seria deixar  as aparências e assumir os problemas que afetam o desenvolvimento.
Foi salientado o questionamento: como chamar a comunidade para uma atitude reflexiva acerca da realidade vivenciada, onde a desmotivação está presente em todos os segmentos? Quais os caminhos que foram traçados? Neste caso seria convidar cada segmento, funcionários, alunos, pais e alunos para um momento de reflexão. Cada segmento com orientação do núcleo gestor elaborou um pequeno plano de ação para implementar em um setor específico. Uma vez por mês os grupos se reuniram para avaliar se o que estava sendo feito surtia o efeito que se desejava.
Como resultados, citamos a mudança de atitude, de comportamento e de postura, além de transformar a realidade, transformar a nós mesmos e a forma como nos relacionamos com o outro, isso foi fundamental para conseguir uma nova “IDENTIDADE PARA A ESCOLA”
Logo em seguida veio a palestra com o professor Carlos Saldanha, com suas experiências do estado do Pará, o mesmo também explanou o tema pedagógico, respondendo ao questionamento: O que é o Pedagógico?
A reflexão sobre a categoria pedagógica, levou a algumas discussões dentre elas, o que é o pedagógico e o que estamos chamando de pedagógico. Foi citado e comentado Franco e libâneo.
“Elemento relacional entre sujeitos: é uma construção coletiva existente na dialogicidade dos sujeitos” (FRANCO, 2012, p. 169)
“Fatores que contribuem para a construção do ser humano como membro de uma determinada sociedade, e os processos e meios dessa formação.” (LIBÂNEO, 2010, p.23)
A noção do pedagógico implica a função social e a concepção pedagógica. Neste modelo de gestão, o coordenador é responsável para mobilizar esses fatores, cabendo ao gestor escolar também a função de articulador deste processo. Nesse sentido, o coordenador é articulador da proposta pedagógica da escola com foco no plano de ação e nos projetos curriculares em desenvolvimento.

A tarde tivemos outra mesa, com outro ciclo, com temática voltada para o coordenador pedagógico como formador. A professora Tereza Perez falou sobre o tema: Coordenador Pedagógico – competências e habilidades. Iniciou sua fala com o questionamento: Quem é o Coordenador Pedagógico?

O coordenador pedagógico, não é um pau pra toda obra, mas sim um parceiro do diretor e do professor, e também o responsável para responder às demandas administrativas e atender as famílias. O coordenador junto ao diretor , como dupla gestora devem ter como foco na aprendizagem da comunidade escolar. Juntos devem construir uma visão estratégica de atuação com planejamento, cronograma, metas, responsáveis e condições (tempo, espaço, materiais) considerando monitoramento dos processos de ensino e de aprendizagem.

Outra palestra deste ciclo, mediada pelo professor Edmilson, foi o tema: O viés formativo do coordenador pedagógico, com a professora Elenice Maria Nery, Coordenadora Estadual da formação no “Chão da Escola”.

O coordenador é tido como o protagonista da formação. A instituição escolar é considerada como lócus da formação e convivência, e é necessário que neste cenário exista profissionais competentes. A formação continuada deve se integrar ao cotidiano da escola e respeitar as experiências profissionais de todos os participantes.
O coordenador atua como formador e precisa refletir, na e sobre a sua prática. Nesse ínterim, o ofício do trabalho do profissional de gestão pedagógica da escola tem sido cada vez maior. No entanto, ele precisa potencializar a formação continuada no docente da unidade escolar e se permitir, ao mesmo tempo participar na formação.
O coordenador entra como protagonismo das ações e resultados. A escola como espaço da formação continuada deve dá as condições ideais para as discussões e práticas pedagógicas, visando à melhoria da qualidade de ensino e consequentemente, os índices educacionais indicados pelas avaliações externas. No entanto, o coordenador precisa respeitar seu tempo de formação continuada e dedicar os momentos pertinentes a isso para a formação com o corpo docente.

Por: Carlos Fernando

quinta-feira, 28 de junho de 2018

ONE: OBMEP Na Escola


O projeto ONE - OBMEP na Escola é coordenado pelo orientador Prof. Dr. Pedro Jorge e executado pelo professor  Fabricio Barros na Escola: Unidade Edison da Paz Cunha. A turma deve ter no mínimo 20 alunos:

Hoje tem:11 Alunos do Edison da Paz Cunha, 03 do Padre Vieira e 01 do Raquel Magalhaes (ainda não confirmado),01 alunos da Ilha Grande que ainda não confirmou o nome e a escola.
Efetivamente temos 14 alunos assíduos a meta é ter 30 alunos.
O requisito é ter sido aprovado na primeira fase da OBMEP.


As aulas do programa são realizados todos os sábados de 7h as 11hs na escola Edison da paz cunha
Projeto tem parceria com Instituto de matemática pura e aplicada (IMPA) Universidade federal do PI (UFPI) e escola Edison da paz cunha.

Importante ressaltar que é o único projeto nesse sentido num raio de 100 km
Ainda temos vagas para 16 alunos. Os 16 primeiros que demonstrem interesse e compromisso terá sua vaga garantida. A escola Edison da Paz Cunha oferece lanche, apostilas e livros além do espaço físico.
Procure a Unidade Escolar Edison da Paz Cunha, e garanta sua vaga no Programa ONE - OBMEP na Escola.

Por: Carlos Fernando.

Projeto Escola Aberta e Mobieduca.me na Escola Edson da Paz Cunha


No dia 28 de Junho de 2018, a Diretora da Unidade de Gestão e Inspeção Escolar – UGIE, professora Ana Rejane da Costa Barros, esteve presente na Unidade Escolar Edson da Paz Cunha, a professora Safira Santos fez a abertura e logo em seguida foi ouvida a comunidade escolar. Alunos do 1o ano e 2o ano que estão desde a 7a série na escola fizeram seus depoimentos destacando o que a escola precisa, enfatizando que a Instituição de ensino possuem bons professores. Os pais presentes também usaram a palavra para reivindicar sobre a segurança dos filhos e melhores condições de trabalho.


 Logo em seguida após ouvir a comunidade escolar, professora Ana Rejane apresenta a todos dados colhidos da realidade escolar e apresenta sugestões como solução imediata para as demandas da escola que está além de apenas aumentar os muros da escola e colocar cerca elétrica.  Disse que assim como nas penitenciarias existem muros e que continuam tendo rebeliões, na escola a solução não é apenas elevar os muros, mas mudanças na organização escolar.



Entre algumas das providencias tomadas, está o uso da ferramenta mobieduca.me, onde a escola terá a entrada dos alunos apenas por meio da carteirinha, onde a ausência dos alunos será comunidade por meio de SMS. Incentivou-se a escola organizar momento para socializar esta ferramenta, onde a SEDUC vai disponibilizar treinamento. Outra medida seria o uso de câmeras, na segurança pública os vigias noturnos, apoio do pelotão escolar e botão de alerta. Foi bem apropriada também a sugestão do controle comunitário, que se trata do olhar da comunidade acionando ajuda. Para assegurar os projetos de leituras, a biblioteca será revitalizada com novos livros, e um profissional estará conduzindo as atividades rotineiras na mesma.
Apesar de tudo que já foi salientado para revitalizar a escola, enfatizou-se a limpeza por meio de capina e pintura. O local onde localiza anteriormente a 1a  GRE e também onde iniciou- se a construção de uma quadra, precisa deste processo; além de uma Ambientalização do Espaço Escolar como Paisagismo e horta com ajudas dos profissionais das Artes, Educação Física e outros que contribuam para esta finalidade.
Os alunos do Edson destacaram bem a importância de ter sua própria quadra de Esportes, da mesma forma que reivindicou a professora Maria Jane de educação física.


Outro ponto de suma importância, foi sobre as instancias democráticas, por meio dos Grêmios e representantes de turmas, Conselho Escolar e Conselho de Classe. Incentivou-se a revitalizar o conselho de classe e instituir plantões escolares. Revitalizar o conselho escolar, para uma co- gestão da escola que está ligada a uma co- decisão. Sobre o aspecto pedagógico, ênfase foi dada nas atividades complementares, foram mencionados os projetos que já acontecem na escola, como o programa OBMEP na escola, Clube de Ciências e foi sugerido para começar no segundo semestre  a Escola Aberta, realizar a Semana Presente, prestação de serviços para a comunidade, como apresentações culturais em parceria também com outras Instituições. No próximo semestre o projeto Escola Aberta estará sendo executada, onde o objetivo é que a família esteja mais próxima na escola. Entre as oficinas estão aquelas que será realizada para os alunos e outras para os pais.
No dia 11 de agosto será realizada na Unidade Escolar Edson da Paz Cunha, o dia D da família na escola. E haverá várias atividades semelhante a Ação Global cujo cronograma será divulgado em breve.


sexta-feira, 22 de junho de 2018

Conselho Escolar e o Tempo Pedagógico


Em virtude das condições econômicas e sociais desfavoráveis em nossa sociedade, muitos de nossos jovens necessitam de uma ampliação do seu tempo pedagógico para alcançar o padrão de desempenho escolar desejável. Cabe a cada escola conforme suas especificidades se organizar e garantir esse direito que os jovens alunos tem. O conselho Escolar precisa entender as razões da organização das classes e turmas para acompanhar alguns indicadores e verificar os resultados dos procedimentos pedagógicos.
O Conselho Escolar deve ter uma visão mais realista sobre o tempo escolar e as atividades pedagógicas propostas pelos professores. Podem – se realizar feiras de conhecimento, seminários com relatos de experiências e projetos. O ideal seria acompanhar e verificar se o ritmo de aprendizagem esta sendo respeitado e condições dignas de trabalho aos professores também oferecido.


O Conselho Escolar pode auxiliar a escola na ampliação de sua autonomia em relação à condução das atividades pedagógicas e administrativas, sem que ela perca sua vinculação com as diretrizes e normas do sistema público de ensino. Nesse sentido, incentiva as medidas que são tomadas visando à instauração ou ao aprofundamento das relações democráticas entre todos os seguimentos que a compõem, sem perder de vista que o último e mais importante é que tal clima favoreça de fato as aprendizagens dos estudantes.
Nesse sentido, os alunos precisam aprender no tempo apropriado e conforme os conteúdos trabalhados. O calendário poderá ser adaptado para que este pressuposto possa ser adquirido, desde o momento em que o discente realmente tenha assimilado o conhecimento pelo qual o mesmo será avaliado. Neste mesmo direcionamento, entra os processos de recuperação e verificação do aprendizado, para que os mesmos sejam avaliados corretamente. Novamente o Conselho Escolar deverá está informado dessas informações.
É de grande importância, que se compreenda que o incentivo às formas democráticas de convivência escolar tem por objetivos o estabelecimento de condutas construídas coletivamente, auxiliem a efetivação de práticas pedagógicas e considerem o ritmo individual do estudante. O Conselho Escolar constitui o espaço mais adequado para que de forma compartilhada, dirimir as dúvidas, encontrar soluções e propor novas condutas de participação individual e coletiva no ambiente escolar.
O tempo de permanência do estudante na escola é tempo das aprendizagem intelectual, sociocultural, afetivo e ético. Esse tempo não pode ser desperdiçado. Exercer um acompanhamento qualificado desse tempo é tarefa do Conselho Escolar.

FONTE: Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares. Navarro, 2004.

PROJETOS DA ESCOLA EDSON DA PAZ CUNHA


Dentre alguns projetos já iniciados em 2018 está o  Projeto “Queremos Paz” em Abril, que será dada continuidade, outras ações também propostas para incentivar os alunos a melhorarem o rendimento e a leitura, são atividades com projetos de leitura e uso da biblioteca como sala de leitura, onde pretende-se revitalizar a Biblioteca.  O Instituto Unibanco desenvolveu um projeto para melhoria na qualidade da educação pública, com foco no Ensino Médio, é o Programa Jovem do  Futuro, que é uma tecnologia educacional concebida para o aperfeiçoamento continuo da gestão escolar orientada para resultados de aprendizagem, programa iniciado também em 2018. O projeto “Chão da Escola” é uma  formação continuada realizada pelo coordenador pedagógico em suas respectivas escolas, com apoio da Secretaria de Educação (SEDUC – PI), e muitas ações estão compartilhadas com programas também articuladas com este órgão público e  nesta Unidade de Ensino Edson da Paz Cunha é realizada aos sábados, com a ajuda do Formador professor Carlos Fernando, temáticas como Base Nacional Comum são trabalhadas nestes encontros. Entre as pautas de formação está trabalhar com os alunos a temática da  Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT), com o tema: “ A Ciência como redução das Desigualdades ”, com esta finalidade temos propostas de formar os docentes também para desenvolver ações para estas atividades. Foram incentivados a criar um Clube de Ciências para articular projetos para o Circuito de Ciências com a mesma temática da SNCT. Entre um dos objetivos do Clube de Ciências Scorpio é fortalecer estudos para a física, matemática e astronomia, como preparação para as Olimpíadas nesta área do conhecimento.
Outro ponto fundamental desta formação continuada é o fortalecimento dos alunos medalhistas nas olimpíadas de matemática, física, ciências. Para a matemática uma parceria foi articulada com a UFPI com o projeto OBMEP na escola Projeto ONE que funciona aos sábados. O professor Fabrício Barros está a frente deste trabalho, sendo um Pólo Olímpico de estudos de Matemática, e o mesmo juntamente com a escola espera novos medalhistas. O Gestor Alberto Magno sempre acompanha as atividades, oferecendo o suporte necessário aos professores e alunos nas atividades.

Vários projetos ainda serão executados no decorrer do ano letivo, como o Preparatório para o ENEM e lançamento de produção literária por parte dos alunos. No segundo semestre receberá novos Programas que ajudará principalmente o acompanhamento dos alunos junto às famílias.





segunda-feira, 11 de junho de 2018

Parnaíba completa 307 anos de fundação nesta segunda dia 11 de junho

Parnaíba, completa 307 anos de fundação nesta segunda feira dia 11 de junho, com a fundação da vila Nossa Senhora de Montserrat de Parnaíba.

A história de Parnaíba, a Capital do Delta, começa dia 11 de junho do ano de 1711 com a instituição da Vila Nossa Senhora de Montserrat da Parnahiba. Cinquenta anos mais tarde no local seria criada a Vila de São João da Parnahiba, que em 14 de agosto de 1844 seria elevada à categoria de cidade.

A pequena capela de Nossa Senhora de Montserrat na Rua Duque de Caxias no centro histórico de Parnaíba foi edificada em pedras sendo concluída em 11 de junho de 1711 pelo português João Paulo Diniz, que contou com a ajuda do coronel Pedro Barbosa Leal e alguns moradores. O local foi erguido para abrigar a imagem de Nossa Senhora de Mont Serrat vinda de Portugal, sendo considerada a primeira padroeira de Parnaíba, mas a imagem teve que ser levada para a matriz de Piracuruca, onde se encontra até hoje, por conta de ataques dos índios tremembés. A ermida hoje faz parte do patrimônio tombado pelo IPHAN.
FONTE: BLOG Jornal da Parnaíba.